23 janeiro 2006

Sobre as presidenciais

Passando por cima da brincadeira que foi o postal anterior (memorável mesmo foi de facto o grande jogo), debrucemo-nos então sobre as eleições de ontem. Seja ou não por defeito profissional, vou falar de alguns dados estatísticos, de entre os muitos que se podem analisar aqui.
- A soma dos votos brancos (58.868), nulos (43.405) e abstenção (3.301.589) é superior (3.403.862) aos votos obtidos pelo vencedor Cavaco Silva (2.745.491). Este facto por si só revela o entusiasmo que esta eleição gerou entre os eleitores.
- Embora o mentor Lenine criticasse "A Doença Infantil do Comunismo - O Radicalismo de Esquerda", não é abuso de maior catalogar o PCP entre os extremismos de esquerda, o que coloca esta faixa do espectro político em 14,34% do total dos votos expressos, percentagem exactamente igual à do venerando candidato, cujas declarações públicas do último ano também o não afastariam grandemente daquela companhia.
- Este último mais o seu ex-compagnon de route, que corporizam e de que maneira a traição abrilina de abandono das ex-colónias, somam 35,06%, dando uma imagem bem pálida da força actual do PS, actual maioria governamental.
- O vencedor, regado a milhões de ecus durante o seu consulado de 10 anos, devidamente "pagos" com o abandono ó quão alegre de soberania em favor dos eurocratas de Bruxelas e de destruição de boa parte do aparelho produtivo, simbolizou para muita gente a nostalgia pelo período de desafogo económico que se viveu naquele período. Cada vez mais o eleitor vota com os bolsos, como se diz que sucede nos EUA: ora, há 4/5 anos quanto é que eu tinha e quanto é que tenho hoje? Contas feitas, voto depositado.
- O candidato raivoso lá passou a fasquia dos 5%, assegurando financiamento da campanha. Sim, que no fim de contas o "bago" é que conta. Materialismo dialéctico.
- A erosão do comunismo no Alentejo é um fenómeno sobretudo demográfico e de substituição de gerações. Como diria Keynes, «no longo prazo estamos todos mortos».
- Daqui a cinco anos há mais, havendo de permeio comemorações da instauração do regime em 1910 que se antevêem grotescas e branqueadoras dos crimes da I República (e da III, já agora) e exaltadoras dos supostos feitos republicanos. De outro modo, como continuar a justificar a blindagem constitucional da «forma republicana de governo»?

6 Comments:

Blogger alex said...

Algumas notas:

- O vencedor foi mais que justo e não concordo consigo na avaliação negativa que lhe faz dos 10 anos de consulado.
Goste-se ou não, foi (de longe) o melhor governante* desde o 25 do 4 e provavelmente a única 'coisa' parecida com um estadista que a III República gerou.

- A I República foi uma merda.
A III República não é grande coisa e começou muuuito mal.....mas....tenha santa paciência, não tente 'esconder' ou fazer a 'lavagem' das bestas da II República.
A II República tem, pelo menos, tantos crimes como a Iª e a IIIª.
Mas o mais grave na II República, foi o instilar de um moralismo bafiento e hipócritos, de uma Aura Mediocritas generalizada, de uma mentalidade tacanha, estúpida, com o culto da invejazinha e da delação.; a mentalidadezinha do dinheirinho debaixo do colchão, do provincianismo pacóvio e serôdio e da falsidade abjecta da tal de moral e bons costumes, dois embustes que nunca existiram.
É precido, de uma vez por todas, que Portugal destrua (repito: DESTRUA; ARRASE; OBLITERE) completamente este tipo de herança mental.
É a reforma mais dificil, a das mentalidades, mas com preserverança iremos conseguir.

*Guterres em 6 anos recebeu mais dinheiro que Cavaco em 10 e teve melhor conjuntura económica...os resultados foram os que se viram.

São as instituições internacionais que dizem em uníssono que Portugal está em divergência com a UE desde o último trimestre de 1995.
Ora FG Santos....o que é que se passou nesse trimestre????? :)

A II República + PREC são os grandes responsáveis pelo atraso de Portugal a TODOS OS NÍVEIS mas, felizmente, daqui a pouco, já ninguem saberá o que foram essas merdices e, finalmente, seremos um país normal.

Os mais astutos sabem que ontem foi lançada a 'primeira pedra' da IV República.
Venha ela....sem preâmbulos.

A luta continua!
A Vitória, é certa!

23 janeiro, 2006 14:06  
Anonymous Anónimo said...

«Goste-se ou não, foi (de longe) o melhor governante* desde o 25 do 4»

Ser o menos mau não significa que se seja bom.

«tenha santa paciência, não tente 'esconder' ou fazer a 'lavagem' das bestas da II República.»

O Buiça é que tem de ter paciência, mas isso de culpar o Estado Novo de todos os males do país já farta. O EN durou 40 anos e já vamos com 30 de democracia. Isto já parece os governos que ao invés de fazerem alguma coisa de jeito, passam o tempo todo a culpar o governo anterior.

NC

23 janeiro, 2006 23:03  
Anonymous Anónimo said...

Desculpem lá mas...
A culpa é do Salazar!

É um fartote, nem o Buiça consegue disfarçar o tic! Ah!AH!AH!

Legionário

23 janeiro, 2006 23:31  
Blogger alex said...

"mas isso de culpar o Estado Novo de todos os males do país já farta."

"Desculpem lá mas...
A culpa é do Salazar!"

Eu não disse isso, nem podem inferir isso mesmo nas entrelinhas do que escrevi.


Está tudo interligado.
O desastre já vem de finais do século XVIII.

O que não está correcto é fazer o exercício oposto, ou seja, pretender que o Estado Novo não tem responsabilidade alguma.
Tem, e muita, especialmente por causa do NOJO de mentalidade que deixou mas que, felizmente, está a desaparecer, embora demasiado lentamente.

É preciso acelerar o passo.

Agora há 20% abaixo do limiar da pobreza?!?!
Pois há. E tá mal.

Mas em 1970, aplicando o mesmo cálculo, eram cerca de 60% e isto era pouco mais que uma espécie de RDA folclórica.

Nisto estou com o BOS: o Estado Novo era um regime medíocre e hipócrita.
O actual regime é filho do anterior.
Os protagonistas ou são os mesmos, ou são os filhos...ou até os primos.

O país é demasiado pequeno e as famílias são grandes e toda a gente se conhece....

Mas é inútil 'bater' na merda da II República...logo agora que já se começa a vislumbrar a inevitabilidade da IVª.

24 janeiro, 2006 01:07  
Anonymous Anónimo said...

Eu prefiro o IV Reich!
eh!eh!eh!

Legionário

24 janeiro, 2006 11:14  
Anonymous Anónimo said...

Caro FG Santos
Aguarde que rapidamente lhe enviamos o último Horizonte Vertical - O Boletim Legionário

Abraço

24 janeiro, 2006 11:20  

Enviar um comentário

<< Home